Tula


Estátuas "antlanteanas", sítio arqueológico de Tula, México

No final do período clássico (após o declínio da grande cidade de Teotihuacan em torno de 700 AD), várias ondas de invasores indígenas migraram do norte para a Mesoamérica. Desses numerosos grupos, os mais importantes eram os toltecas. Os toltecas misturavam-se com pessoas que já viviam nos vales do atual estado de Hidalgo. Por volta do ano 1050 eles desenvolveram sua cidade de Tollán na capital de um império que veio a dominar o centro do México e espalhar sua influência para áreas distantes. Acredita-se que a emergência tolteca marca a ascensão do militarismo na Mesoamérica, pois seus exércitos usaram força superior para dominar outras sociedades na região.

A cidade de Tollán, a lendária capital tolteca, é mencionada em várias fontes pós-conquista, incluindo a Sahagún (História geral das coisas da nova Espanha), bem como em documentos indígenas conhecidos como códices. Os astecas disseram aos primeiros missionários espanhóis de uma cidade chamada Tollán, onde os toltecas já viveram:

"E havia uma colina chamada Tzatzitepetl. Também é assim chamada hoje ... E ali moravam todas as variedades de pássaros de penas preciosas: a adorável cotinga, o resplandecente trogon, o touripal, o colhereiro". (Códice florentino, pág. 12).

Um exame das fontes escritas e lendas dos astecas revelou que eles estavam claramente cientes de Teotihuacan, outra grande cidade em ruínas, e não consideravam que esta fosse a capital dos toltecas. Quando questionados sobre o assunto, eles indicaram a localização de outra cidade antiga distante a noroeste de sua própria capital, Tenochititlan. Dizia-se que esta cidade em ruínas ficava na colina de Tzatzitepetl, onde os próprios astecas haviam escavado as pirâmides em busca das riquezas dos reis toltecas. Em 1940, o arqueólogo Jorge Acosta realizou escavações no Cerro del Tesoro perto da aldeia de Tula de Allende (cerca de 64 quilômetros ou 40 milhas ao norte da Cidade do México), e descobriu os vestígios arquitetônicos da antiga cidade de Tollán (agora chamada Tula).


Estátuas "antlanteanas", sítio arqueológico de Tula, México   

Os toltecas eram um povo de língua nahuatl e seu nome tem muitos significados como "urbanite", uma pessoa "culta" e o "povo de junco", derivado de seu centro urbano, Tollán ("Lugar dos Juncos"). Tula era a principal cidade dos toltecas e, de acordo com a lenda, havia sido fundada pela figura mitológica Quetzalcoatl (a Serpente Emplumada), uma divindade antiga que os toltecas haviam adotado de culturas anteriores e veneravam como o deus de Vênus. As ruínas do sítio arqueológico estão concentradas em dois grupos nas extremidades opostas de uma crista baixa. Pesquisas recentes indicam que a área urbana original cobria pelo menos três milhas quadradas. As ruínas incluem os restos de um palácio, duas quadras de bola e três templos em forma de pirâmides truncadas. Acredita-se que o maior dos templos da pirâmide, que é encimado por colunas 15 (metro 4.6) na forma de figuras humanas estilizadas, seja dedicado a Quetzalcoatl. Esta pirâmide foi restaurada e as estátuas altas, chamadas atlantes (Los Atlantes), foram erguidas em seu cume. Embora pequena, a pirâmide era altamente decorada. Os lados dos cinco terraços estavam cobertos de frisos esculpidos e pintados de felinos, aves de rapina devorando corações humanos e rostos humanos que se estendiam das mandíbulas das serpentes. Uma escadaria no lado sul levava a um templo altamente ornamentado de dois cômodos no cume. Uma característica distintiva da base da pirâmide são suas paredes cobertas com placas de tufo vulcânico, com baixos-relevos de jaguares e coiotes participando de uma procissão sagrada. Outras lajes exibem águias e abutres devorando corações humanos, sendo a característica principal um ser sobrenatural, provavelmente o próprio Quetzalcóatl, emergindo de um animal fantástico que é uma combinação de onça, serpente e águia. Entre as quadras de bola reconstruídas fica o Templo Quemado. Suas dezenas de colunas arruinadas delineiam o que antes era provavelmente um importante edifício governamental. Diretamente para o leste é o restaurado Templo de Tlahuizcalpantecuhtli, ou Templo da Estrela da Manhã.

No auge de seu esplendor, Tula tinha em torno de habitantes 50,000 que praticavam a agricultura por meio de pequenos sistemas de represas e canais, uma vez que a chuva era escassa na área. Durante o reinado de Quetzalcóatl, foi dito que as terras férteis de Tula produziam colheitas abundantes e a cidade era visitada por mercadores que traziam materiais valiosos como cacau, metais preciosos, jaguar hide, jade e cerâmica de Chiapas e Guatemala. Os artesãos de Tula eram famosos por produzir alguns dos mais belos objetos da Mesoamérica, especialmente os feitos da obsidiana de vidro vulcânico. Tula também negociou com a cidade maia de Chichén Itzá e muitas influências de construções toltecas podem ser encontradas lá.

Historiadores indígenas e cronistas espanhóis frequentemente mencionavam o personagem Quetzalcóatl (que significa bela ou emplumada). Os mitos descrevem Quetzalcoatl como o rei-sacerdote de Tula e que ele nunca ofereceu vítimas humanas, apenas cobras, pássaros e borboletas. De acordo com uma lenda, uma divindade tolteca rival chamada Tezcatlipoca (o deus do céu noturno) expulsou Quetzalcoatl e seus seguidores de Tula ao redor do 1000 AD. Quezalcoatl, em seguida, vagou para a costa da "água divina" (o Oceano Atlântico), onde ele se queimou em uma pira, mais tarde emergindo como o planeta Vênus. De acordo com outra versão, ele embarcou em uma balsa feita de cobras e desapareceu além do horizonte leste. Os relatos escritos da região central mexicana, como a "Lenda dos Sóis", também mencionam Quetzalcoatl partindo para o Oriente Misterioso mais ou menos na mesma época (948 AD).

A lenda da vitória de Tezcatlipoca sobre a Serpente Emplumada provavelmente reflete um fato histórico. O primeiro século da civilização tolteca foi dominado pela cultura de Teotihuacan, com seus ideais de governo sacerdotal e comportamento pacífico. A pressão dos imigrantes do norte provocou uma revolução social e religiosa, com uma classe dominante militar tomando o poder dos sacerdotes. A derrota de Quetzalcoat simbolizou a queda da teocracia clássica. Sua viagem marítima para o leste também pode estar ligada à invasão de Yucatan pela tribo Itza. O nome do calendário de Quetzalcoatl era Ce Acatl (um Reed). A crença de que ele voltaria do leste em um ano de One Reed levou o soberano asteca Montezuma II a considerar o conquistador espanhol Hernan Cortez e seus soldados como enviados divinos, porque 1519, o ano em que desembarcaram na costa do Golfo mexicano, foi um ano de One Reed.

Parece que Tula terminou de uma forma semelhante a Teotihuacan. Por volta do ano 1170, a cidade e seu centro cerimonial foram saqueados e parcialmente destruídos. A civilização tolteca declinou no século 12, quando os chitimecas e outras tribos invadiram o vale central e acabaram demitindo Tula. Grande parte da grande cidade foi posteriormente destruída pelos astecas.

Além de continuar a restauração dentro do recinto cerimonial, os arqueólogos têm explorado áreas residenciais periféricas. Correspondências arquitetônicas e estilísticas entre Tula e vários centros maias na península do norte de Yucatán, principalmente no local de Chichén Itzá, indicam que a influência tolteca invadiu a área. Acredita-se que esta influência provenha de grupos dissidentes de toltecas que migraram para a região maia e estabeleceram hegemonia no período pós-clássico inicial (900-1200 AD).


Detalhe, de, "Antlantean", estátua, archaelogical, local, de, tula, méxico
Martin Gray é antropóloga cultural, escritora e fotógrafa, especializada no estudo e documentação de locais de peregrinação em todo o mundo. Durante um período do ano 38, ele visitou mais de locais sagrados 1500 nos países da 165. o Guia Mundial de Peregrinação O site é a fonte mais abrangente de informações sobre esse assunto.

Guias de viagem do México

Martin recomenda estes guias de viagem 

Tula