Candi Sukuh, Java

Pirâmide de Candi Sukuh, Java, Indonésia
Pirâmide de Candi Sukuh, Java, Indonésia (Prolongar)

Localizado perto da aldeia de Berjo a uma altitude de 2990 metros (metros 910) nas encostas florestadas do Monte Lawu, um vulcão adormecido no centro de Java, o templo Candi Sukuh é estilisticamente diferente de qualquer outro na Indonésia. Possivelmente construído no século 15 durante os anos em declínio do Império Hindu Majapahit (1293-1527), Candi (pronuncia-se Chandi) Sukuh parece ter pouco a ver com outros templos judaicos hindus e budistas. Construído com rochas andesíticas vulcânicas e cobrindo uma área de aproximadamente 11,000 metros quadrados, o complexo do templo possui três terraços, uma notável pirâmide e inúmeras esculturas enigmáticas. As origens de seus construtores e seu estilo escultural estranho (com figuras crus, atarracadas e distorcidas esculpidas no wayang estilo encontrado em Java Oriental) permanecem um mistério e parece marcar um reaparecimento do animismo pré-hindu que existiu 1500 anos antes.

Duas coisas em particular distinguem Candi Sukuh, que são sua pirâmide trapazoidal, truncada e única, lembrando as dos maias em Yucatán, no México, e as numerosas esculturas enigmáticas encontradas em todo o local.

A pirâmide se eleva a dez metros na parte traseira do local e diferentes lendas foram atribuídas ao seu significado e função. Uma lenda diz que representa a montanha sagrada mitológica de Meru, a morada dos deuses e ancestrais. Outro que representa Monte mandera onde Vasuki, o rei das serpentes, permitiu que vários deuses e demônios o usassem como sua corda agitada para extrair a ambrosia da imortalidade do oceano de leite. Atualmente, não há nada no topo da pirâmide, mas pode ter havido várias esculturas, altares ou outras estruturas. A pirâmide pode ser escalada através de uma escada estreita e lendas folclóricas locais afirmam que os degraus são íngremes, a fim de testar a virgindade das meninas jovens na comunidade. Imediatamente na frente das escadas há duas grandes estátuas de tartaruga com superfícies superiores achatadas, que talvez funcionem como altares para rituais de purificação e adoração a ancestrais. Na mitologia hindu, a tartaruga simboliza o apoio do mundo e é um avatar do deus Vishnu.

Pirâmide de Candi Sukuh, Java, Indonésia
Pirâmide de Candi Sukuh, Java, Indonésia (Prolongar)

Em 1815, Sir Thomas Raffles, governante de Java de 1811 a 1816, visitou o templo e o encontrou em más condições. Em seu relato, ele relata que muitas estátuas foram jogadas no chão e a maioria das figuras foi decapitada. É provável que esse vandalismo da cultura tradicional seja um efeito da invasão islâmica de Java durante o século XVI. Raffles também encontrou ao lado das tartarugas uma estátua gigante de linga (falo) de 16 pés quebrada em dois pedaços. O linga tem a característica distintiva de todos os falos do templo; bolas sob a ponta. Estes são representativos de um costume praticado pelas castas aristocráticas e sacerdotais do Império Majapahit, onde alguns homens teriam bolas de mármore ou ouro implantadas sob a ponta de seu pênis. O Candi Sukuh linga, que agora está exposto no Museu Nacional de Jacarta, tem quatro.

As ruínas de Candi Sukuh também retratam a questão da libertação espiritual simbolizada por numerosas esculturas, relevos e estátuas associadas a temas tântricos sexualmente relacionados do subcontinente indiano. Várias dessas esculturas de pedra mostram explicitamente genitália masculina e feminina; daí um nome das ruínas é o "templo erótico".

Na entrada do site é uma representação óbvia das relações sexuais; um lingam de pedra (falo) entrando em um yoni (vagina). Qualquer que seja seu propósito nos tempos antigos, os casais sem filhos hoje procuram bênçãos e oram pelos filhos. Mais adiante estão esculturas representando Bhima, o grande herói guerreiro do Mahabharata, e Narada, o mensageiro dos deuses, dentro de um útero estilizado, e outro mostrando Bhima passando pelo útero em seu nascimento. É importante notar que Bhima foi a figura central de um culto da libertação das almas durante o século XV e um guia espiritual que conhecia o caminho que levava à perfeição. Outras esculturas de natureza erótica incluem uma grande estátua sem cabeça de um homem segurando seu pênis ereto, um entalhe de um homem de cócoras expondo seus órgãos genitais e um entalhe semelhante a um útero com criaturas mitológicas nele.

Escultura de metal forja com Bhima, Arjuna e Ganesh
Escultura de metal forja com Bhima, Ganesh e Arjuna (Prolongar)

Perto da pirâmide é uma escultura importante que apresenta Bhima, Arjuna e Ganesh trabalhando em uma forja de metal. Essa cena é significativa porque, na mitologia hindu-Java, acredita-se que o ferreiro, o metalúrgico, possui não apenas a habilidade de alterar os metais, mas também a chave para a transcendência espiritual. Os Smiths tiraram seus poderes do deus do fogo (que existia antes da introdução do Hinduísmo) e em alguns casos um ferreiro era considerado um santuário.

Nesta cena em particular, Bhima é o ferreiro e seu irmão, Arjuna, está trabalhando no fole. Eles estão forjando uma espada com fogo purificador, que simboliza várias coisas aqui. Representa o linga (falo) e sua bainha a yoni (vagina), como uma arma torna Arjuna invencível em batalha, e é um Kris, a icônica adaga javanesa que legitimou e deu poder aos governantes. Entre Bhima e Arjuna está um Ganesh dançante, o deus hindu e divindade tântrica que incorpora o processo de passagem de um estado para outro. Esta é uma representação incomum de Ganesh, pois não apenas ele está dançando, mas seus órgãos genitais também estão expostos, há um rosário de ossos em volta de seu pescoço e ele está segurando um pequeno animal, provavelmente um cachorro. Esta escultura mostra uma semelhança distinta com as práticas tântricas encontradas no budismo tibetano, onde rosários de ossos e divindades caninas figuram com destaque em rituais de transformação espiritual.

De acordo com o estudioso Stanley O'Connor, o relevo mostra em termos visuais a correspondência entre a metalurgia e o destino humano. O trabalho de ferro era uma metáfora para a transformação espiritual. Ao ilustrar o processo através do qual as substâncias metálicas são transformadas (a redução de minérios, sua purificação e reconstituição em aço), o escultor mostrou a conexão entre a metalurgia e a liberação da alma. Além disso, na escultura, é a dança energética selvagem de Ganesh, o guardião dos limiares, que abre um caminho para a alma para um plano superior.

Os primeiros estudos do Candi Sukuh foram feitos em 1842, 1889 e 1910. Entre 2014 e 2017, o departamento arqueológico do governo realizou uma extensa reconstrução do local. O templo, originalmente construído sobre uma fundação de areia de rio e pedras soltas, havia sido extraído para esses materiais pela população local e começara a afundar.

Grandes tartarugas de pedra na base da pirâmide, Candi Sukuh, Java
Grandes tartarugas de pedra na base da pirâmide, Candi Sukuh, Java (Prolongar)

Candi Sukuh, galeria de fotos de Java

Martin Gray é antropóloga cultural, escritora e fotógrafa, especializada no estudo e documentação de locais de peregrinação em todo o mundo. Durante um período do ano 38, ele visitou mais de locais sagrados 1500 nos países da 165. o Guia Mundial de Peregrinação O site é a fonte mais abrangente de informações sobre esse assunto.

Candi Sukuh, Indonésia